Associação Gaita-de-Foles A.P.E.D.G.F. APEDGF
Associação Portuguesa para o Estudo e Divulgação da Gaita-de-foles -
Portuguese Bagpipe Society .'.
gaita - bagpipe - cornemuse - zampogna - dudelsack - bock - gaida - phìob - biniou - mezoued -zucra - duda - pipe - sackpipa

 Gaita-de-fole   |   Sócios   |   Actividades |   Notícias   |   Escola de Gaitas   |   Comprar   |   Orquestra de F.Documentos | Links | Contactos

« Principal « Um Mundo de Gaitas « Gaita-de-fole Transmontana
Um Mundo de Gaitas
Gaitas de Fole de todo 
o Mundo...
História
Origens, expansão, diversidade...
Gaita-de-fole em Portugal
Distribuição, tipos, contextos...
Morfologia
O que é uma
Gaita-de-fole?...
  
  
 
  
Espaco.gif (821 bytes)
Este artigo
em Mirandês
»
Espaco.gif (821 bytes)
Espaco.gif (821 bytes)
Espaco.gif (821 bytes)
Espaco.gif (821 bytes)
Espaco.gif (821 bytes)
Espaco.gif (821 bytes)

Gaita-de-fole
"Gaita-de-fole", "Gaita Mirandesa" ou "Gaita Transmontana" - Portugal, Trás-os-Montes


Gaita-de-fole; "Gaita Transmontana" ou "Gaita Mirandesa"
Construção: presumivelmente Rodrigo Fernandes (?), anterior a 1958. Pertencente a Joaquim Ventura, Caçarelhos, Portugal.
Materiais: ponteiros em freixo e enguelgue, anéis de corno, bordão em madeira de 
enguelgue e fole de cabrito.
Tonalidade: aprox. Si / Lá - Digitação: aberta.
Dois tubos sonoros: bordão cilíndrico de palheta simples e ponteiro cónico com palheta dupla.

Trás-os-Montes 
(Portugal)

Esta gaita-de-fole pertenceu ao gaiteiro Joaquim do Nascimento Ventura, natural de Caçarelhos, Trás-os-Montes. Trata-se de um exemplar muito interessante, uma vez que tem características comuns com muitos outros instrumentos da região, sobretudo no torneado e ornamentações dos tubos sonoros (muito semelhantes aos instrumentos construídos por Rodrigo Fernandes, outro gaiteiro e artesão transmontano). Possui dois tubos sonoros e um tubo insuflador em madeira de Enguelgue ou Zelha (Acer Monspessulanum) – uma madeira muito usada na construção de gaitas nessa zona, tratando-se de uma espécie de arbusto natural das arribas do Douro, pouco conhecida e com excelentes qualidades musicais.


Detalhes de algumas peças, de cima para baixo: Primeira ou Ombreira (encaixada na buxa), Entremeia, Copa, Ponteira e Assoprete. Note-se a cor escura do Enguelgue envelhecido e os entalhes decorativos, feitos à mão.

Na realidade, esta gaita foi recuperada na oficina da Associação Gaita-de-Foles, pois encontrava-se em relativo mau estado, sendo que o fole e a vestimenta que o cobre já não são os originais, que foram substituídos. Junto com a gaita encontravam-se dois ponteiros: o primeiro, que se presume que tenha sido o original, foi construído em Enguelgue e exibe a mesma decoração que os restantes tubos sonoros, emitindo a tónica de Lá (aproximadamente). E um segundo, feito em madeira de freixo, tratando-se possivelmente de um ponteiro de construção sanabresa ou galega que foi adaptado pelo gaiteiro para afiná-lo de acordo com os padrões locais (o interior do ponteiro e os buracos melódicos mostram sinais de que foram desgastados com uma ferramenta, para aumentar o seu calibre), parecendo estar afinado em Si – a ausência de palhetas originais não permite especular muito mais sobre a real afinação destes ponteiros. 

O gaiteiro transmontano Manuel Paulo Martins (Vale de Mira), nos anos 30.
foto: Instrumentos Musicais Populares Portugueses, Gulbenkian 2000

O gaiteiro Joaquim Ventura era também conhecido como “Joaquim de Gibraltar”, em virtude de ter emigrado para essa colónia britânica. Com efeito, foi lá que comprou a sua primeira gaita, por sinal uma Great Highland Bagpipe. Após regressar a Portugal, iniciou-se na aprendizagem da gaita-de-fole transmontana. Não se sabe se esta gaita terá sido construída pelo próprio (uma vez que este possuía um torno onde fazia trabalhos em madeira) ou se a terá adquirido a outro artesão.

Joaquim Ventura faleceu em 1958, quando o seu filho, José Ventura, contava 9 anos de idade. Foi este que encontrou a gaita, quase dez anos depois, a qual permanecera esquecida num resguardo para animais. Esta gaita é ainda hoje tocada pelo neto de Joaquim Ventura, João Ventura, que por vezes é acompanhado por Manuel Vicente (caixa) e Armando Vicente (bombo) - os mesmos percussionistas que outrora acompanharam o seu avô.





Outras Gaitas Transmontanas

Gaita-de-fole
Portugal, Trás-os-Montes

A Gaita-de-fole Transmontana ou Mirandesa é tradicionalmente de construção artesanal e partilha semelhanças morfológicas com a gaita sanabresa ou alistana, (de Sanabria e Aliste, comarcas espanholas fronteiriças)...



Associação Gaita de Foles, 2003 - Direitos Reservados


 


Início | Gaita-de-fole | Sócios | Actividades | Notícias | Escola de Gaitas |
Comprar | Orquestra de F. | Documentos | Equipa | English  | Links | Contactos
Powered by RRMerlin

Associação Gaita de Foles - direitos reservados